And death shall have no dominiom.         Thomas Dylan

 

 

Esta e a Estória de Um Ser que Não Existe ao Observar a Vida, Interrogando-se.

Eu não sou vivo mas sou inteligente e viajo pelo espaço que não existe.

Estranho tudo o que é organizado, como a matéria. E a vida essa, não a compreendo. Sou energia, imaterial, infinito, eterno. Eu sou

E=MC².

                                                                                                                                                                                  rib 99

Sou filho das vossas lutas, das batalhas ganhas e perdidas, das frases que vão com o vento e ficam com o coração, das lágrimas que se consomem com as emoções.

                                                                                                                                                                                  rib 99

 

Serena                                                 

De uma interioridade inquieta,

Paradoxal,

Corre a alma

Como se de um rio se tratasse.

Nos sobressaltos da luta

Entre o bem e o mal

Nasce a verdade

Que é minha.

Única,

Sem confrontações

Que lancem a duvida,

Sem inseguranças

Que matem a certeza.

 

                                   rib 99

 

Perdi a minha sombra

Levou-ma o sol poente

Que me disse na penumbra

Ter eu a alma doente.

 

Sinto que tem razão

Admito-o e confesso

Pois as vezes olho-me ao espelho

E não vejo o meu reflexo.

 

                                         rib 99

A cor da cor

No seu jeito meio serôdio, em que de forma recorrente algo inextricável, que sempre exibia de resto, continuava contemplativo fervilhando-lhe na mente cosmogonias diversas, que usava qual parábolas,  tentando encontrar o sentido do ser. Elegíaco, quase niilista, defendia uma perspectiva filosófica solipsista numa praxis hedonista que usava de forma prosaica. Iconoclasta, no fim era  sobressaltado com a sempre mesma pergunta: e afinal, que cor é a " cor de burro quando foge" ?

                                                                                                                                                                                           rib 99

 

Enquanto olhava para dentro

Arrogante talvez,

Por tornar o mundo pequeno

Reduzido ao meu conteúdo,

E nem por isso perfeito,

Descobri de chofre um jeito

De o tornar sereno.

Cavalgar o vento

Como o fazia em miúdo,

E de imaginação ao peito

Resgatar a ingenuidade ao tempo.

 

                                        rib  ??

Favoritos | Painéis | Manifesto | Palavras | Desenhos | BD | Fotografia | O Ready-made | Livro de visitas

Este site foi actualizado pelo última vez em 31/12/05